domingo, 5 de abril de 2015

Dica de intercambista: a experiência da Renata em Portugal

Para os intercambistas de plantão (ou quem um dia quer ser), a Renata contou um pouco sobre a experiência dela em Portugal e deu algumas dicas de como ir morar fora por um tempo. Confira!!

Renata Domiciano
"Sou estudante de economia, bailarina e uma pessoa muito perfeccionista e determinada. Curiosa por natureza eu sempre quero saber de tudo, desde futebol até políticas internacionais e nas horas vagas eu gosto de passear e fuçar os lugares. Gosto de uma viagem que traga histórias para contar e considero muito um bom papo entre amigos."


PUVSR: Como foi decidir ir morar fora por um tempo? Como que você escolheu o lugar que queria ir?
Renata: Quando eu entrei na faculdade eu já sabia que queria fazer intercâmbio em algum momento da minha vida acadêmica. Então, comecei a pesquisar sobre e conheci formas de estudar fora através de bolsas de estudo. Participei do edital de mobilidade da minha universidade, e na segunda tentativa fui contemplada com a bolsa. Para isso estudei muito para manter médias altas, além de participar de outras atividades acadêmicas extras que transmitisse responsabilidade e merecimento.
Sempre tive em mente em ir para Portugal, talvez pela facilidade com a língua, mas também pelo estilo de vida, por ser mais tranquilo e por apresentar diversas curiosidades culturais. Fiquei em dúvida entre Lisboa e Porto, e fui para a cidade do Porto, uma pequena cidade, com muita diversão.

PUVSR: Como foi ficar 6 meses longe da sua casa... da sua família... da sua irmã gêmea e do seu namorado? Como você fazia quando as saudades batia?
Renata: Imaginei que pudesse ser pior, mas hoje a tecnologia ajuda e muito! Quando estamos aproveitando a nova cidade o tempo passa rápido, mas chega o momento da saudade e aí é tempo de aproveitar a saudade também e ver o quanto as pessoas são queridas. Quando ela batia à porta e sem hora pra chegar, corria para frente do computador e não me privava do horário para desligar as chamadas pelo Skype. O que amenizava a minha saudade era conversar com as outras pessoas sobre meus familiares também, parecia fazer com que elas ficassem mais perto da gente.


PUVSR: Como é morar em um país que fala a mesma língua que a nossa... mas totalmente diferente rs?
Renata: (Risos) Foi a maior surpresa que tive. Sabia que muita coisa ia ser diferente quanto se tratava da língua, mas não sabia que seria tanto. Durante os primeiros 15 dias eu preferia falar com as pessoas em inglês porque eu não conseguia entender o que eles falavam. E as pessoas do norte de Portugal usam palavras muito específicas e demora muito para compreender. Se você está como turista não percebe que há tanta diferença, mas quando comecei a assistir as aulas era praticamente impossível saber do que se tratava a matéria. Mas foi tudo uma questão de tempo, logo depois já apresentava trabalho falando português de Portugal. (Risos)

PUVSR: Qual foi a coisa mais difícil de se acostumar durante esse tempo?
Renata: O frio e a chuva. O norte é uma região bem fria e peguei um inverno rigoroso por lá, com médias de 0ºC à 4ºC e com sensações térmicas ainda mais baixas. Apesar de não ser um frio tão castigador comparado aos outros países europeus é um frio de desanimar. Os sistemas de aquecimento não são tão desenvolvidos como os da França, Alemanha ou países mais ao norte da Europa o que dificultava um pouco o conforto do dia a dia. E demorou um pouco para entender que se eu não saísse com chuva e frio eu não aproveitaria nada do lugar e então, entre os amigos nós incentivávamos uns aos outros a sair e encarar o frio.



PUVSR: Quantos lugares você visitou durante esse tempo? (porque sempre que o intercâmbio é na Europa, a parte mais legal é viajar por todos os países perto de onde você está rs)
Renata: Viajei bastante mesmo, visitei 28 cidades em 6 países! Busquei fazer isso de uma maneira que não atrapalhasse meus estudos (bem difícil isso viu?!)  e de uma maneira bem low cost (Risos). Viajar virou um vício apesar do trabalhão que é, desde os preparativos até a realização vi um prazer enorme em me aventurar pelos países.


PUVSR: Qual dos lugares que você visitou no seu intercâmbio que você mais gostou?
Renata: Gostei muito de Firenze, é um lugar cheio de história, cultura, arquitetura, cenários lindos, além de ser muito romântica. A cultura italiana lá é realmente cativante!
Paris e Amsterdã também me deixou fascinada com tanto charme.

PUVSR: Se tivesse que escolher um lugar para morar para sempre, qual seria?
Renata: Sem dúvidas o Porto!! A melhor escolha que fiz. É uma cidade pequena, mas cheia de atrações diurnas e noturnas. Há fácil mobilidade, segurança, boa comida e ótimas programações culturais. O Porto é uma cidade de praia, de história, de curiosidades, de conforto, boas pessoas e muitos mimos. A vista para o Rio Douro é apaixonante e como diz uma querida amiga portuguesa “A vista do Douro conforta a alma”. Uma cidade que te prende pelas lindas vistas e pelo delicioso vinho, não tem como não escolher ficar lá para sempre!

PUVSR: O que essa temporada na Europa mudou em você? Seu jeito de pensar... alguma mania... costumes... etc?
Renata: Essa temporada me fez mais tolerante para muitas coisas. Passei a entender novos pontos de vistas que antes não absorvia com facilidade. Pude também entender melhor o Brasil e como nós brasileiros não temos nada em comum com outras nações, mas me fez apreciar algumas particularidades brasileiras também. Eu passei a ouvir mais as histórias que as pessoas no mundo têm a contar, elas são riquíssimas e é uma das coisas mais deliciosas da viagem. Acho que hoje eu estou mais aberta para as pessoas, pois sei que sairei com uma boa história para ouvir e contar.
Agora manias... Comecei a falar beijinhos como os portugueses quando vou se despedir de alguém (Risos). Isso é muito estranho para nós, mas para eles é tão normal...haha. E não posso esquecer da boa taça de vinho, que começou a me acompanhar depois de ir morar fora, essa sim foi uma mania boa que peguei! (Risos)
PUVSR: Como você lidou com a tristeza da volta? Porque bate saudades da vida que você levava ne?
Renata: A saudade é grande, agora me sinto um passinho preso em uma jaula. A tristeza é inevitável, mas minha família está aqui e isso conforta a tristeza. Tenho muitas tarefas à cumprir e estou tentando fazer daqui um lugar melhor. O que me anima também é a esperança de ter uma nova oportunidade no futuro e encarar tudo outra vez!

PUVSR: Qual a dica que você daria para quem está indo morar um tempo fora do Brasil ou tem vontade de um dia fazer isso?
Renata: A dica que eu daria é que viva onde for sem preconceitos. Muitas coisas lá são melhores, assim como aqui também há coisas melhores que lá, mas se você está livre de preconceitos a oportunidade de aprender e desfrutar das coisas que você não conhece terá um resultado muito mais positivo. Permita experimentar as atividades, a rotina, os costumes, isso pode te fazer uma pessoa mais cheia de conhecimentos, mas tudo com responsabilidade (Risos). E para quem tem vontade persista no sonho, porque será a experiência mais maluca e deliciosa da sua vida. Mas cuidado, tudo isso vicia muitooo! =D




#porumavidasemrotina

Nenhum comentário:

Postar um comentário